quarta-feira, julho 17, 2024
spot_img

Coreia do Norte roubou criptomoedas para mísseis nucleares, diz ONU


source
ONU: Coreia do Norte roubou criptomoedas para financiar programas de mísseis nucleares
Lorena Amaro

ONU: Coreia do Norte roubou criptomoedas para financiar programas de mísseis nucleares

A Organização das Nações Unidas (ONU) afirmou em um relatório recente que a Coreia do Norte organizou ataques cibernéticos a exchanges, roubando milhões de dólares em criptomoedas. Tudo isso para financiar seus programas de mísseis.

De acordo com os investigadores, entre 2020 e meados de 2021, os ciberataques roubaram mais de US$ 50 milhões em criptoativos.

Esses ataques, segundo eles, são uma “importante fonte de receita” para o programa nuclear e de mísseis balísticos de Pyongyang. As descobertas foram entregues ao comitê de sanções da ONU na última sexta-feira.

Coreia do Norte roubou milhões em criptomoedas

Ainda segundo o documento ao qual a Reuters teve acesso, os referidos ataques cibernéticos atingiram pelo menos três exchanges de criptomoedas na América do Norte, Europa e Ásia.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia.

“Embora nenhum teste nuclear ou lançamento de ICBMs (mísseis balísticos intercontinentais) tenha sido relatado, a RPDC [República Popular Democrática da Coreia] continuou a desenvolver sua capacidade de produção de materiais físseis nucleares”, escreveram os especialistas.

O relatório também fez referência a um estudo publicado no mês passado pela empresa de segurança Chainalysis.

Leia Também

Conforme noticiou o CriptoFácil, a empresa sugeriu que os ataques norte-coreanos arrecadaram US$ 400 milhões em criptomoedas em 2021. Foram pelo menos sete ataques a plataformas de criptomoedas no ano passado.

Em 2019, a ONU informou que o país acumulou US$ 2 bilhões para programas de armas de destruição em massa. Da mesma forma, o montante seria oriundo de ataques cibernéticos sofisticados.

Testes nucleares

Há tempos a Coreia do Norte foi proibida pela ONU de realizar testes nucleares e lançar mísseis balísticos.

No entanto, apesar das sanções, a nação continuou a desenvolver sua infraestrutura nuclear e de mísseis balísticos.

Leia Também

Além disso, buscou material, tecnologia e know-how no exterior, inclusive por meios cibernéticos e pesquisas científicas conjuntas.

Segundo os monitores das sanções, houve uma “aceleração acentuada” dos testes de mísseis por Pyongyang.

Na última sexta-feira (4), os EIA disseram que o país realizou nove testes de mísseis somente no mês passado.

“A RPDC demonstrou maior capacidade de implantação rápida, ampla mobilidade (inclusive no mar) e maior resiliência de suas forças de mísseis”, disseram os monitores das sanções.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Izalci diz que aumento de tributos sobre venda de imóveis é ‘tiro no pé’

O senador Izalci Lucas (PL-DF) criticou, em pronunciamento nesta quarta-feira (17), o projeto de regulamentação da reforma tributária, já aprovado na Câmara. Ele considera...

Prorrogado funcionamento de comissão temporária sobre inteligência artificial

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, prorrogou nesta quarta-feira (17), por mais 60 dias, o prazo de funcionamento da Comissão Temporária Interna sobre Inteligência...

Zenaide Maia critica reforma tributária e isenções de impostos

A senadora Zenaide Maia (PSD-RN), em pronunciamento nesta quarta-feira (17), criticou o texto do Projeto de Lei Complementar (PLP 68/24) de regulamentação da reforma...

Corpo de Bombeiros segue combatendo incêndio no Pantanal nesta quarta-feira (17)

O Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso segue combatendo um incêndio que atinge a região de Porto Conceição, em Cáceres, nesta quarta-feira (17.07)....