segunda-feira, julho 15, 2024
spot_img

Varejo cresce 1,4% em 2021, mas perde fôlego com desemprego e inflação


source
Clientes indo às compras em loja de roupas
Reprodução: ACidade ON

Clientes indo às compras em loja de roupas

As vendas no varejo encerram o ano de 2021 com crescimento de 1,4%, segundo dados da Pesquisa Mensal de Comércio, divulgados nesta quarta-feira pelo IBGE. É o quinto ano seguido de alta, mas o comportamento das vendas do segundo semestre mostra perda de fôlego do setor, com inflação alta e desemprego ainda elevado.

Para analistas, o ciclo de aumento dos juros — que deve se prolongar neste ano, tornando o crédito mais caro — e o elevado nível de endividamento podem ser travas para o avanço do setor em 2022.

Em dezembro, houve estabilidade nas vendas no varejo, com leve recuo de 0,1% na comparação com o mês anterior. Analistas esperavam queda de 0,5% no último mês do ano passado.

O comércio vinha registrando crescimento na primeira parte de 2021 (6,7%), mas teve uma sequência de quedas no segundo semestre, que acabou sendo encerrado com recuo de 3,0%. O comportamento foi inverso ao ano de 2020, que teve queda no primeiro semestre e alta na segunda metade do ano.

“Como o primeiro semestre de 2020 foi marcado pelo início da pandemia de Covid-19 no Brasil, com o fechamento do comércio durante vários meses em boa parte do país, a base de comparação para o primeiro semestre de 2021 era baixa e, portanto, o crescimento nesse período era esperado”, explica o gerente da pesquisa, Cristiano Santos.

“Já a segunda metade de 2020 foi marcada pela retomada das atividades, enquanto que o mesmo período de 2021 não teve tanta força para o volume de vendas no varejo”.

Inflação foi o principal freio do consumo

Nem mesmo as tradicionais vendas de Black Friday e Natal, em novembro e dezembro, conseguiram elevar o consumo na reta final de 2021.

Segundo o pesquisador, houve uma antecipação de compras por parte dos consumidores na pandemia, que resultou em um crescimento rápido seguido de queda.

Dentre os componentes que pressionaram o consumo nos últimos meses, Santos destaca que a inflação foi a principal.

“Outro fenômeno forte que influenciou a queda no varejo no fim do ano é a estabilização do crédito. Quando a taxa de juros sobe, o crédito acaba diminuindo para a pessoa física e as pessoas compram menos. Além disso, a renda média das famílias não vem crescendo e alguns setores, como informática, móveis e eletrodomésticos, foram afetados pela alta do dólar”.

Leia Também

Queda no setor de eletrodomésticos

Cinco setores fecharam o segundo semestre em queda, entre eles o de móveis e eletrodomésticos, que recuou 19,4% no período. Só no mês de dezembro, a queda neste segmento foi de 17,6%, na comparação com novembro.

No ano, móveis e eletrodomésticos recuaram 7%, reforçando que a queda mais acentuada foi de fato no segundo semestre.

As vendas no grupo Hiper e supermercados, alimentos e bebidas caíram 2,6% no ano. É um segmento bastante sensível à alta de preços. Por outro lado, o grupo Artigos farmacêuticos, médicos, de perfumaria e cosméticos subiram quase 10% em 2021.

Consumo menor em 2022

A variação mensal veio um pouco acima das expectativas da XP. Já a do ano, alinhada às projeções da corretora. Para o economista Rodolfo Margato, os próximos meses seguem sob os mesmos desafios que fizeram o varejo perder fôlego: inflação a dois dígitos, desaceleração da concessão de crédito e desemprego.

“O alta de juros, no entanto, é o grande fator a ser considerado como pressão para o consumo em 2022. A Selic já aumentou oito vezes e deve ter subir mais duas vezes, chegando a 12%”, pontua Margato.

Por outro lado, o economista destaca pontos que podem mitigar estes impactos.

“Acreditamos na retomada do mercado de trabalho e que o novo programa de transferências do governo (Auxílio Brasil) permita algum crescimento, ainda que moderado, da massa de renda ampliada disponível às famílias este ano”.

Na avaliação do estrategista-chefe do Modalmais, Felipe Sichel, o aperto da política monetária vai corroer não somente o poder de compra das famílias, que têm perda real na renda com a inflação, juros e desemprego, como impactar no dinamismo da atividade econômica. Pois este cenário, diz ele, afeta comerciantes e indústria também.

“Nossa leitura é que esta variação negativa no varejo restrito será intensificada em 2022”, ressalta.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Após tragédia no Shopping Popular, presidente Lula garante ajuda para reconstrução da vida de 600 famílias

Mediante a tragédia que transformou em cinzas os sonhos de mais de 600 famílias, o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, garantiu...

FICCO/MG e FICCO/MS prendem homem foragido por estelionato e ameaça

Uberlândia/MG. A FICCO/MG e FICCO/MS prenderam nesta segunda-feira, 15/7, na cidade de Campo Grande/MS, um homem foragido da Justiça por estelionato e ameaça. Investigações, troca...

Pacheco recebe presidente da Itália em visita oficial

O presidente da Itália, Sergio Mattarella, foi recebido nesta segunda-feira (15), pelo presidente do Senado e do Congresso Nacional, Rodrigo Pacheco. Os dois conversaram...

Uso do vale-cultura para atividades esportivas está na pauta do Plenário

O vale-cultura poderá ser utilizado para eventos esportivos, além das atividades culturais. É o que prevê o PL 5.979/2019, da Câmara dos Deputados e...