segunda-feira, julho 15, 2024
spot_img

Vale-gás de fevereiro terá valor menor; veja quem recebe nesta terça


source
Gás de cozinha (glp)
Pedro Ventura/Agência Brasília

Gás de cozinha (glp)

O Ministério da Cidadania começou a pagar o vale-gás de fevereiro a 5,58 milhões de famílias — 110 mil a mais do que o total contemplado com a parcela anterior. O calendário de depósitos é o mesmo do Auxílio Brasil, portanto, ontem recebeu o grupo com Número de Identificação Social (NIS) de final 1, hoje será a vez do de final 2 e amanhã, do 3. Os pagamentos seguem até o próximo dia 25.

O vale-gás de fevereiro será de R$ 50, enquanto a primeira parcela, paga em janeiro, foi de R$ 52. O auxílio é bimestral, mas dessa vez ocorrerá em meses subsequentes porque a parcela anterior, na verdade, era referente a dezembro. A partir de agora, os depósitos acontecerão somente nos meses pares: abril, junho, agosto, outubro e dezembro.

O benefício não tem valor fixo. Ele tem que equivaler sempre a 50% do preço médio nacional do botijão de gás de cozinha de 13kg, que é calculado pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

O beneficiário pode movimentar o dinheiro pelo aplicativo Caixa Tem e pode realizar compras e pagar contas com o cartão de débito virtual e QR Code. Quem recebe por meio de cartão pode sacar em terminais de autoatendimento, unidades lotéricas, correspondentes bancários e agências da Caixa. A consulta ao benefício pode ser feita pelos aplicativos Auxílio Brasil e Caixa Tem, além do telefone 111.

Os critérios de participação são: famílias inscritas no Cadastro

Único (CadÚnico) com renda per capita menor ou igual a meio salário mínimo (R$ 606) ou que tenham um integrante que receba o Benefício de Prestação Continuada (BPC) pago pelo Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) a portadores de deficiência e a idosos com, no mínimo, 65 anos e de baixa renda. Não é necessário pedir a inclusão no programa, porque ela é feita pelo Ministério da Cidadania cruzando os dados dos inscritos no CadÚnico.

Segundo a Cidadania, serão destinados R$ 279 milhões para pagar o vale-gás às 5,58 milhões de famílias em fevereiro. O Nordeste, segundo a pasta, é a região do país com o maior número de beneficiados, com 2,73 milhões. Em seguida vêm o Sudeste, com 1,78 milhão, o Norte (536,21 mil), o Sul (349,33) e o Centro-Oeste (167,78).

Valor é insuficiente em algumas regiões

O auxílio-gás pago aos beneficiários do programa Auxílio Brasil, em algumas regiões, não cobre a “metade” do valor de um botijão de gás como deveria ser. De acordo com a lei 14.237/2021, que instituiu o programa, o valor do benefício deveria corresponder a 50% da média do preço do botijão de 13kg de gás liquefeito de petróleo (GLP). No entanto, conforme a Associação Brasileira das Entidades de Classe das Revendas de Gás Liquefeito de Petróleo (Abragás), dados da Agência Nacional de Petróleo Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), apontam que o preço médio do botijão estava saindo a R$ 102,27 na primeira semana de fevereiro.

Segundo a Abragás em algumas regiões brasileiras esse valor chega a R$ 140. Ainda de acordo com a associação, o dinheiro do vale-gás está sendo utilizado para outros fins. De acordo com o Ministério da Cidadania, o vale-gás, que começou a ser pago nesta segunda-feira e vai até o dia 25, sairá bimestralmente sempre em meses pares. Ou seja, o próximo pagamento será em abril.

Leia Também

Mãe solteira de um bebê que vai fazer 1 ano, Mônica Lima, de 37 anos de idade, moradora do Lins, na Zona Norte do Rio, rebate:

“Compro comida, com um bebê em casa o que entra é para suprir as necessidades dele”, diz a mãe solo.

Mas, de acordo com a Abragás, o crédito do vale-gás deveria ser realizado por outro meio. Como cartão eletrônico, por exemplo, para que o dinheiro não tivesse outra destinação.

“A operação desse programa precisa passar por um caminho onde os recursos para esse fim, sejam de fato para aliviar o bolso das famílias de baixa renda na compra do botijão de gás. No modelo atual os recursos se misturam a outros benefícios e acabam usados em compras de outros produtos, fazendo com que o programa não cumpra o papel principal de ajudar as famílias na cocção (cozimento) de alimentos”, diz Jose Luiz Rocha, presidente da Abragás.

Segundo Rocha, o segmento revendedor de gás de cozinha, conta com quase 60 mil postos espalhados em todo país e cobre 100% do território nacional. Para ele, essas revendas podem ser o elo de atendimento aos consumidores de baixa renda.

“As revendas tem capilaridade total no país e podem contribuir nesse processo”, diz Rocha.

Procurado, o Ministério da Cidadania não se manifestou sobre a criação de um cartão eletrônico para que os recursos sejam utilizados na compra do botijão. A pasta também não respondeu sobre afirmativa da associação sobre a utilização do dinheiro para outros fins.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Após tragédia no Shopping Popular, presidente Lula garante ajuda para reconstrução da vida de 600 famílias

Mediante a tragédia que transformou em cinzas os sonhos de mais de 600 famílias, o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, garantiu...

FICCO/MG e FICCO/MS prendem homem foragido por estelionato e ameaça

Uberlândia/MG. A FICCO/MG e FICCO/MS prenderam nesta segunda-feira, 15/7, na cidade de Campo Grande/MS, um homem foragido da Justiça por estelionato e ameaça. Investigações, troca...

Pacheco recebe presidente da Itália em visita oficial

O presidente da Itália, Sergio Mattarella, foi recebido nesta segunda-feira (15), pelo presidente do Senado e do Congresso Nacional, Rodrigo Pacheco. Os dois conversaram...

Uso do vale-cultura para atividades esportivas está na pauta do Plenário

O vale-cultura poderá ser utilizado para eventos esportivos, além das atividades culturais. É o que prevê o PL 5.979/2019, da Câmara dos Deputados e...