segunda-feira, julho 15, 2024
spot_img

Gleisi diz que encontro de governador com Moro ‘azeda’ aliança com PSB


source
Gleisi Hoffmann, presidente do PT
Divulgação

Gleisi Hoffmann, presidente do PT


A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, acredita que o encontro entre o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), e o ex-juiz Sergio Moro, pré-candidato à Presidência da República pelo Podemos, torna mais difícil as  negociações com o PSB para formação de uma federação.

— Achei muito ruim o fato de o Casagrande ter se encontrado com o Moro. Você não serve a dois senhores  — afirmou Gleisi.

A dirigente considera difícil para os petistas apoiarem Casagrande depois do gesto. Moro condenou Lula no processo que o fez passar 580 dias preso. No ano passado, a setença foi anulada.

O encontro de Casagrande com o ex-juiz está previsto para acontecer neste sábado. Indagada se a reunião inviabiliza a aliança entre PT e PSB, Gleisi respondeu:

— Não. Mas realmente torna a coisa mais azeda, mais difícil. É uma sinalização política ruim. Estamos falando de um projeto e o PSB está na discussão da federação.

O PSB quer que o PT apoie a reeleição de Casagrande no Espírito Santo. O governador alega que o Podemos faz parte de sua base no estado e que conversará com Moro como também conversou com outros presidenciáveis, como Ciro Gomes (PDT).

Leia Também

Apesar do mal-estar, as negociações para a formação da federação, que inclui também o PCdoB e o PV, devem prosseguir. Uma nova reunião deve acontecer daqui a dez dias. Haverá conversas para tentar chegar a um acordo no Rio Grande do Sul. O PT quer lançar o deputado estadual Edegar Pretto no estado e o PSB, o ex-deputado Beto Albuquerque.

Nesta sexta-feira, o PSOL, que não cogita entrar na federação, aprovou, em reunião da sua executiva nacional, a abertura de negociações com o PT e demais partidos de esquerda para firmar uma aliança eleitoral em torno da candidatura do ex-presidente Lula.

O partido pede que Lula se comprometa com questões programáticas. Os três principais pontos são: revogações das reformas trabalhista e da Previdência e do teto de gastos; medidas para financiar a transição energética e defesa de um novo modelo de desenvolvimento da Amazônia; e uma reforma tributária que inclua a criação de impostos para os super-ricos.


Com relação à taxação dos super-ricos, Gleisi afirmou que  o PT tem afinidade com a proposta.

 — É uma discussão que a gente tem feito no PT. É necessário taxar quem ganha mais.

Em declaração no ano passado, Lula se mostrou cético sobre a taxação de grandes fortunas por considerar que os ricos poderiam tirar seu dinheiro do país.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Após tragédia no Shopping Popular, presidente Lula garante ajuda para reconstrução da vida de 600 famílias

Mediante a tragédia que transformou em cinzas os sonhos de mais de 600 famílias, o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, garantiu...

FICCO/MG e FICCO/MS prendem homem foragido por estelionato e ameaça

Uberlândia/MG. A FICCO/MG e FICCO/MS prenderam nesta segunda-feira, 15/7, na cidade de Campo Grande/MS, um homem foragido da Justiça por estelionato e ameaça. Investigações, troca...

Pacheco recebe presidente da Itália em visita oficial

O presidente da Itália, Sergio Mattarella, foi recebido nesta segunda-feira (15), pelo presidente do Senado e do Congresso Nacional, Rodrigo Pacheco. Os dois conversaram...

Uso do vale-cultura para atividades esportivas está na pauta do Plenário

O vale-cultura poderá ser utilizado para eventos esportivos, além das atividades culturais. É o que prevê o PL 5.979/2019, da Câmara dos Deputados e...