quinta-feira, junho 20, 2024
spot_img

Câmara aprova acordo para troca de informações sigilosas com Luxemburgo


Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados
Discussão e votação de propostas. Dep. Arthur Lira PP-AL
Arthur Lira preside sessão do Plenário

A Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Decreto Legislativo 385/21, que ratifica o acordo entre o Brasil e o Grão-Ducado de Luxemburgo sobre Troca e Proteção Mútua de Informação Classificada, assinado em Nova Iorque, em 25 de setembro de 2018.

O deputado Marcel Van Hattem (Novo-RS) apoiou a ratificação do acordo. “Temos uma relação estratégica com Luxemburgo, em que pese ser um país pequeno da Europa. Foi o embrião inicial da União Europeia, tem um afluxo de capitais, sistema financeiro robusto e economia pujante.”

Van Hattem lembrou que o Brasil já tem acordos com Luxemburgo para o combate ao terrorismo e tráfico de drogas. “Há um número relevante de cidadãos brasileiros que detém cidadania de Luxemburgo e de cidadãos de Luxemburgo que vivem no Brasil.”

A deputada Erika Kokay (PT-DF) afirmou que o acordo oferece condições igualitárias, com os mesmos parâmetros para tipificar a informação como sigilosa, com mecanismos de proteção. “Ao mesmo tempo se protegem os dados”, observou.

Gabinete de Segurança Institucional
Segundo o texto, por meio das autoridades nacionais de segurança, que no Brasil será o Gabinete de Segurança Institucional, cada parte deve garantir que a informação classificada fornecida ou trocada não seja desclassificada ou reclassificada para um grau de sigilo inferior sem o prévio consentimento por escrito da outra parte, que também definirá os propósitos para os quais a informação poderá ser usada.

Ambos os países se comprometem ainda a não divulgar a terceiros (pessoas ou países) a informação sem o prévio consentimento por escrito da parte originária e sem um acordo ou contrato para proteção de informação classificada em vigor nesse outro país.

Contratos
O acordo envolve contratos classificados, incluindo as negociações pré-contratuais entre dois ou mais contratantes sobre temas com informação classificada. No caso de contratos classificados firmados e implementados no território de uma das partes, a autoridade nacional de segurança da outra parte deve obter uma garantia escrita prévia de que o contratado proposto possui habilitação para o tratamento de informação classificada e pessoal autorizado para manipular as informações no grau de sigilo apropriado.

O contratante deverá se comprometer ainda a permitir inspeções de segurança de suas instalações.

Reportagem – Francisco Brandão
Edição – Natalia Doederlein

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Rede de Frente premia vencedores de Mostra Estudantil nesta sexta

Os vencedores da Mostra Estudantil de Arte 2024, com o tema “Meu corpo, minha voz, meu direito”, realizada nos municípios de Barra do Garças...

Emanuel Pinheiro lamenta venda de vagões do VLT à gestão da Bahia e questiona “por que o modal não ‘serve’ para a capital?”

“O dia 19 de junho é marcado por uma tristeza profunda para a nossa capital e também para a cidade de Várzea Grande. Mesmo...

CGE realiza evento em alusão aos 45 anos do órgão e lança documentário sobre Lei Anticorrupção

A Controladoria Geral do Estado (CGE) está com inscrições abertas para o 1º Encontro Estadual de Controle Interno de Mato Grosso, que será realizado...

31 piadas horríveis e sem graças que acabam arrancando sorriso

Foto: Reprodução 31 piadas horríveis e sem graças que acabam arrancando sorriso Essa é uma coleção peculiar que desafia a lógica do...