quinta-feira, fevereiro 22, 2024
spot_img

5 impactos psicológicos que a separação dos pais pode gerar nos filhos

5 impactos psicológicos que a separação dos pais pode gerar nos filhos
Redação EdiCase

5 impactos psicológicos que a separação dos pais pode gerar nos filhos

De acordo com dados recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Ciência (IBGE), os números de divórcios no Brasil subiram 16,8% em relação às últimas pesquisas. Os dados revelaram também que o tempo médio de duração dos casamentos caiu de 15,9 anos para 13,6. Ainda segundo o IBGE, os índices de separação são maiores entre casais com filhos menores de idade, chegando ao número de 48,5%.

A separação dos pais pode ocasionar diversos impactos na saúde mental de crianças e jovens. Entretanto, os efeitos podem mudar de acordo com cada pessoa, visto que os indivíduos são únicos e reagem de forma diferente às situações. Questões como personalidade, idade, ambiente familiar e a maneira como a separação foi conduzida podem interferir, positiva ou negativamente, na reação de crianças e adolescentes.

Mudança na dinâmica familiar

O fim do casamento, para os filhos, representa uma ruptura da família e uma mudança na dinâmica entre os entes queridos. “A separação dos pais pode causar alguns impactos negativos à saúde mental de crianças e adolescentes, desde tristeza e angústia a adoecimento físico e emocional”, explica o psicólogo especialista em relacionamentos, André Carneiro.

O especialista lista cinco impactos emocionais mais recorrentes em crianças e adolescentes antes, durante e após o processo de separação dos pais:

1. Raiva e ressentimento

Por imaturidade emocional, comum da idade, crianças e adolescentes podem ficar ressentidos com os pais e até mesmo desenvolver sentimento de raiva pelos genitores. “Na maioria dos casos, esses sentimentos podem ser manifestados por meio de comportamentos agressivos e atitudes desafiadoras”, esclarece o psicólogo.

2. Sentimento de culpa

A responsabilidade pelo sucesso ou fracasso de um relacionamento sempre deve ser dada ao casal. Entretanto, muitas crianças e jovens culpam-se pelo fim do casamento dos pais. “Mesmo de forma inconsciente, os filhos culpam-se pela separação dos pais. E questionam-se sobre seus próprios comportamentos para avaliar o que fizeram de errado para levar os pais a se separar”, afirma o psicólogo.

3. Baixa autoestima

O fim do casamento dos pais pode afetar também a autoestima dos filhos, que passam, muitas vezes, a não confiar mais em seus potenciais. “Após o divórcio dos pais, é comum que crianças e jovens passem a questionar seu valor e até mesmo sua importância na vida do pai e da mãe. Muitos chegam a pensar que a separação dos pais interfere no amor que os mesmos sentem por eles”, afirma o psicólogo André Carneiro.

O estresse da separação pode afetar o foco da criança (Imagem: Ground Picture | Shutterstock)

4. Baixo rendimento escolar

Não é raro que, após o divórcio dos pais, que o rendimento escolar dos filhos seja afetado. De acordo com o psicólogo, o estresse e o abalo emocional interferem diretamente na concentração e na interação social com colegas. Consequentemente, o rendimento escolar é prejudicado.

5. Dificuldade em relacionamentos

Após a separação dos pais, é comum que muitos filhos desenvolvam dificuldades de confiar em outras pessoas, pois temem novas perdas e rupturas. “Assim, muitas crianças e jovens filhos de pais separados costumam ter dificuldade em estabelecer vínculos afetivos “, esclarece o psicólogo André Carneiro.

Fonte: Saúde

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Dia do rotaractiano recebe apoio em audiência da CE

A Comissão de Educação e Cultura (CE) realizou audiência pública nesta quinta-feira (22) para debater o dia 13 de março como o marco nacional...

Governador cumpre agenda em Colíder e Alta Floresta nesta sexta-feira (23)

O governador Mauro Mendes estará em Colíder e Alta Floresta nesta sexta-feira (23.02). A agenda tem início às 9h30, em Colíder, com uma...

Após reunião de líderes, relator confirma votação do Código Eleitoral até junho

O Senado deve votar no primeiro semestre deste ano o projeto de lei complementar (PLP) 112/2021, que institui o novo Código Eleitoral. A anúncio...

Debatedores defendem PEC para ampliar força dos projetos de iniciativa popular

Em audiência pública nesta quinta-feira (22) na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH), debatedores apoiaram a ampliação da força dos projetos de...